“Transpatagônia – Pumas não comem ciclistas”

Transpatagônia – pumas não comem ciclistas (Guilherme Cavallari)

Este é um livro excelente sobre viagens, e conta com vários elementos que conduzem à sua beleza. O primeiro deles é o cenário incrível escolhido: com já 50 anos, contando apenas com a bicicleta e poucos equipamentos, o autor faz um roteiro pouco usual pela Patagônia, desbravando lugares pouco acessíveis e grandiosos.

Principalmente o começo da obra, em que é narrado todo o planejamento da viagem, é tocante (até mais que o percurso em si, o que prova que uma viagem começa da decisão de fazer algo diferente). O autor lista, entre os motivos que lhe levaram a passar 6 meses longe de casa, a crise em que entrou após a morte da mãe e o choque de perceber o quando a vida passa rápido (tema também explorado no filme/livro “Livre”, de Cheryl Strayed).

As reflexões traçadas no pré-viagem vão desde a fugacidade do tempo até a nossa existência calcada no consumo (seja de bens, seja de ideais). Em seu trajeto, o autor pratica um sério exercício de desapego, restabelecendo o contato com a natureza e com as suas verdades interiores.

O exercício de conhecimento dos limites do corpo, a expansão de conceitos culturais, a identificação de outras verdades históricas sobre a região e, acima de tudo, a quebra de paradigmas fazem desta uma obra um misto de diário de viagens e livro de filosofia. Vale a aventura.

 

 

Anúncios

Uma consideração sobre ““Transpatagônia – Pumas não comem ciclistas””

E aí, o que achou? Diz pra gente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s