28 dicas para você ir pra Galápagos de forma mais econômica.

A América do Sul para nós é sempre o destino mais barato para viajar, desde que você não escolha ir para os três lugares mais caros: Fernando de Noronha, Ilha de Páscoa e… Galápagos. Viajar para Galápagos, no Equador, pode ser algo bem caro, mas se você souber como ir, o que deseja fazer e como economizar, poderá tornar este destino mais acessível, ainda que não o mais barato, mas acessível. Vamos ver algumas dicas importantes que preparamos para quem quer ir para o arquipélago visitado pelo famoso Darwin.

1 – Galápagos é um Arquipélago. Suas principais ilhas são Santa Cruz, San Cristóbal e a maior de todas, Isabela. Estas três ilhas são as mais acessíveis pois possuem estrutura para receber pessoas, as demais (Fernandina, Pinzón, Darwin, Wolf, Santa Fé, Bartolomé, 4 Hermanos, Santiago, Genovesa, Floreana, Espanhola, Marchena e Seymour) são para visitas de tours, mergulhos, ou seja, são bem caras. Vale a pena para quem tem o mergulho como objetivo principal. Se seu desejo forem os snorkels ou tours de barco já vai sair bem caro.

2 – Onde pousar? Existem dois aeroportos para vir do continente: Em Baltra (Santa Cruz) e em San Cristóbal. O de de San Cristóbal é dentro da cidade, do lado de qualquer coisa que precisar. O de Baltra (antiga base norte-americana) é extremamente longe e você terá que pegar um ônibus (US$5), um barquinho (US$1) e mais um ônibus até Puerto Ayora (US$5) ou táxi (US$25). Portanto, se puder, escolha pela companhia (TAME, LATAM, AVIANCA…) para pousar em San Cristóbal e te economizará um bocado. Esse foi um erro que cometemos por não saber, e acabamos pousando e decolando de Baltra.

Indo embora pelo aeroporto de Baltra! (Baltra é longe de tudo… ahhh!!!)

3 – Planeje bem seu trajeto pelas ilhas. O barco inter-ilhas custa US$25 e tem só dois horários por dias, o que significa que terá que comprar pelo menos com um dia de antecedência. O trajeto que fizemos foi: Sta Cruz – Isabela – Sta Cruz – San Cristóbal – Sta Cruz (usamos 4 barcos). Dependendo de onde pousar e decolar, você pode fazer diferente, mas saiba que não há barco de Isabela até San Cristóbal e vice-versa e que não há aeroporto em Isabela.

4 – O que fazer de graça em Santa Cruz:

  • Estação Científica Charles Darwin (tem tartarugas gigantes, um museu, banheiros públicos limpos, um café, um mirante e duas praias: Ratonera e Playa de la Estación). Fica há 20min a pé do centro de Puerto Ayora.
As tartarugas safadinhas de Galápagos
  • Laguna de Las Ninfas: Uma lagoa de água salobra esverdeada cercada por tipos de mangues. É possível ver caranguejos, peixes variados, lobos e tartarugas nadando. Um ótimo lugar pra relaxar, meditar e tirar fotos. Não se pode nadar. Fica há 5 minutos do Mole de Puerto Ayora.
O lugar pede para você meditar.
  • Tortuga Bay: é a maior praia para se ir de graça. Ela tem uma caminhada longa de 2km sobre um caminho de pedras cimentadas bem tranquilo. É um caminho bonito pra ir e voltar na hora do por-do-sol, cercado de cáctos enormes e árvores de galhos brancos. A praia brava de Tortuga Bay, não tem pedras, é de areia super fina e com ondas. É gostosa pra quem gosta de nadar em praias mais agitadinhas, sua areia é extensa e ao final se chega na Praia Mansa, de água esverdeada com mangue. Também é grande e se quiser gastar pode fazer caiaque, se não pode nadar de boas (não tem visibilidade para snorkel) e ficar vendo pelicanos, iguanas e outros bichinhos. É de graça e é o tipo de praia que irá te fazer usar uma manhã toda ou uma tarde toda (porque não, um dia todo). Não há coisas pra comprar ou comer por aqui, terá que levar água e snacks.
Essa praia me lembra algumas do Brasil, como a da Joaquina em Floripa
  • Las Grietas: essa é a única que te fará gastar um pouco, é que você precisa pegar um táxi-barco para ir até o outro lado que não dá pra ir a pé. Esse barco te custará US$0,50 e tudo bem, mergulhar nas grietas compensa. Las Grietas é uma rachadura por onde a água doce se encontra com a salgada. Depois de uma caminhada de 20 minutos passando pela praia do Alemão, você chega ao local onde se pode nadar, pular do deck e fazer snorkel. A visibilidade é ótima e você poderá ver peixes diferentes e moreias. O ambiente é muito parecido com os cenotes da região de Quintana Roo no México com uma água mais salobra.
Sensacional pra nadar
  • Mercado de Peixe: é uma atração pela manhã onde você vê as pessoas cortando e vendendo peixes e um punhado de pelicanos, lobos, iguanas e pássaros acompanhando de perto para ver se ficam com um pedacinho. É algo bem curioso que você só verá aqui.
É muito engraçado observar os bichinhos no mercado
  • Mole de Puerto Ayora a Noite: aqui, de noite, além dos lobos dormindo pelos bancos e caminhando, você poderá ver tartarugas marinhas, lobos marinhos e tintoreras (filhotes de tubarão) nadando próximos ao mole. É bem agradável.

5 – Onde comer em Santa Cruz:

  • Se for comprar coisas para fazer no hostel, vá no mercado maior próximo ao mole, ele é o mais barato, sem dúvidas.
  • Se for comer pescados e coisas típicas, vá na rua Charles Binford e fuja da Av. Charles Darwin. Se quiser comer comida casual (pollo) vá na Av. Baltra.
Pescado Brujo

6 – O que fazer de graça na Ilha Isabela:

  • Em Puerto Villamil, tem a praia principal, com areias brancas e mar azul escuro e pessoas tomando sol. Tem ondas e é mais agitada, mas gostosa para banho.
  • Perto do Mole (de onde chegam e saem os barcos) tem a direita uma praia razoavelmente pequena mas que dá pra tomar banho com ondas, repleta de lobos marinhos dormindo e onde se pode ver além de lobos nadando, alguns Pinguins de Humboldt.
  • Do lado esquerdo tem a Concha Perla, um lugar próximo ao mangue onde você nadará perto das tartarugas marinhas (vimos uma enorme), lobos, estrelas-do-mar e peixes. Aqui não tem ondas e é bem sossegado para nadar e fazer snorkel, porém, tome cuidado pois as vezes a maré muda e você pode nem perceber que está sendo levado em direção aos barcos, o que não é muito bom. Aconteceu com a gente quando seguíamos uma tartaruga nadando e fomos parar em umas pedras em que tivemos que pedir ajuda para um barqueiro no levar de volta. O nome disso é descuido.
  • Salinas: não é um lugar muito bonito, mas há alguns pássaros e flamingos e fica dentro da cidade.
  • Flamingos e Tartarugas: Se quiser ver flamingos de perto, vá na Av. Antonio Gil até a bifurcação e entre a direita na plaquinha de madeira para as Pozas. São laguinhos com iguanas e flamingos pra você ver de bem pertinho. Aqui com sol pode ser um lugar mágico para ficar de boa e tirar fotos incríveis dessas aves. Caminhando pela passarela de madeira, você passará por mais poças e chegará até túneis de árvores que parecem cenário de hobbits do Senhor dos Anéis e ao passar por estes lugares você chegará ao centro de cuidados das Tartarugas Gigantes, um lugar bom para se ir de manhã, quando elas estão mais acordadonas. Aqui terão espécies um tanto diferentes das de Santa Cruz.
São vários flamingos dependendo de onde você estiver
  • Playita e Playa del Amor: Se seguir reto na Av. Antonio Gil, você terá um longo caminho (a pé ou de bike) para ir até estas duas praias. Na verdade este lugar só compensa se você estiver indo para o ponto mais distante que é o Muro de las Lágrimas.
  • Muro de Las Lágrimas: é o lugar mais distante para se ir a pé ou de bike em um dia. Passando por algumas praias e por um cerro, você chega até o muro cheio de histórias de fantasmas que foi construído por prisioneiros quando Isabela era um lugar isolado para se castigar prisioneiros. Aqui é um lugar bacana pra quem gosta de causos.

7 – Onde comer em Isabela:
É uma ilha mais turística e fugir dos preços mais altos não é simples, você terá que bater perna ou pagar mais caro mesmo. Bebidas são algo bem caro, onde você poderá pagar 12 reais em uma coca-cola personal de vidro. Tente encontrar hostel que tenha água e frutas grátis.

8 – O que fazer de graça em San Cristóbal:

  • La Loberia – Se quiser ir caminhando, levará uns 40 minutos e é uma praia bem bonita em que se pode nadar, mas que tem pedras. Boa para snorkel e que pode ter muitos ou quase nenhum lobo (quando fomos só tinha 4). Há um caminho depois dela que não leva a lugar nenhum haha!
Com o passar dos dias, ver lobos dormindo se torna tão normal que vocÊ acha que vai encontrar quando voltar pro Brasil também.
  • Playa Mann – Na frente da universidade e há uns 10 minutos andando desde o centro, você chegará na melhor praia pra curtir o por-do-sol. Apesar de ter pedras e ondas, dá pra nadar e fazer snorkel. Assim como todas as praias da ilha, você só pode ficar até o entardecer. Aqui você terá que literalmente disputar espaço com os lobos e de domingo ela fica mais cheia pois é quando o pessoal que mora lá vai curtir.
O clima das ilhas é ótimo, pois não é aquele calor insuportável com mormaço.
  • Centro de Interpretaciones – É um museu no caminho para três praias, em que você ficará sabendo das histórias de Galápagos, vale a pena conhecer.
Esta estátua do Darwin não é das mais proporcionais.
  • Tijeretas – Depois do centro de interpretaciones, começa um trilha tranquila e bonita até estas praias. Uma das primeiras é Tijeretas, onde você pode ir até quatro miradores (um bem alto e outro com uma estátua do Darwin e animais), mas o mais legal aqui é fazer snorkel em Tijeretas onde não há ondas. A água é esverdeada e é um dos melhores snorkels que fizemos. Aqui você verá cardumes, tartarugas de vários tamanhos e lobos-marinhos. Nós viemos três dias aqui, e cada um foi uma experiência completamente diferente. No segundo dia, pudemos brincar com os filhotes de lobos, mergulhando e borbulhando, experiência inesquecível para nós. Aqui recomendamos ir mais de um dia se você gosta de nadar.
  • Punta Carola – parecida com Playa Mann, tem ondas, pedras, lobos e muitas iguanas. Muita gente vem aqui pra tomar sol e ficar mais tranquilo, mas dá pra nadar e fazer snorkel também.
  • Playa Barquerizo – depois de passar o mirador mais alto começa uma trilha bem chata pra andar,onde você descerá bastante e depois terá que subir bastante, além de se equilibrar em pedras soltas. O que vimos de mais curioso aqui foi um equatoriano fazendo massagem em uma turista mais idosa nas pedras: massagem nas nádegas. Não é uma praia muito atrativa.
  • Mole e Praias da Cidade – existem umas praias na cidade onde você pode encontrar muitos lobos, mas como são próximas do barcos não são atraentes para nadar. Uma delas se pode ficar a noite de boa e é a única na ilha. Perto do aeroporto há umas pedras em que é comum se ver os curiosos Piqueiros de Patas Azuis junto dos lobos.

9 – San Cristóbal é o lugar mais barato (ou menos caro) para se comprar lembrancinhas. Algumas são absurdamente caras e outras tem um preço meio brasileiro de loja, como pagar 40 reais em uma camiseta bonita. Para comer, você tem os lugares perto da praia que são mais caros e os lugares mais baratos dois quarteirões pra dentro, geralmente com pollo se você não estiver enjoado.

10 – Leve comida do continente para Galápagos: se for de Guayaquil para o arquipélago, compensa antes comprar algumas coisas industrializadas como pão de forma, bolachas, água e etc para comer lá. É BEM mais barato!

11 – No aeroporto você será revistado antes de embarcar para as ilhas, então não tenha nada orgânico dentro das suas malas (frutas, carnes, verduras) e evite também sacolinhas e coisas do tipo. Coisas industrializadas podem passar.

12 – No aeroporto, você terá que pagar também o ingresso para as ilhas e pegar um papel que terá que mostrar na saída de Galápagos. Pagamos US$20 por sermos sulamericanos neste papel e em seguida passamos na revista das malas.

13 – Ande com um pouco de papel higiênico na mochila, pois há vários banheiros públicos (principalmente San Cristóbal) em que você pode usar de boa, mas não costumam ter papel.

14 – Ao se hospedar em San Cristóbal, fique atento para escolher Puerto Barquerizo (cidade principal nas praias) e não El Progresso (lugar que fica nas montanhas há 7km de distância e que te fará depender de táxi para qualquer coisa).

Flor de gengibre eu tinha aos montes onde nos hospedamos em San Cristóbal

15 – Passeios pagos que fizemos ou que recomendamos:

Isto é uma cabeça de uma gigante manta arraia tentando subir no barco
  • Los Túneles (Isabela) – tem os túneis de lava, um trajeto pelo mar onde vimos manta arraias (uma de 3m quis entrar no barco) e um snorkel super legal com arraias, tartarugas, peixes, cavalos-marinhos, lobos-marinhos e tubarões (tintoreras de 1,50m) – de 130 a 80 dólares dependendo da temporada, do seu talento ou simpatia. Saem as 7h e as 11h e costumam durar 5hs.
Arraias douradas, um daqueles momentos mágicos
  • Vulcanes (Isabela) – esse é muito curioso, pois você vai para a parte alta da ilha e passa pelos micro-climas até começar uma caminhada que te levará diante de uma cratera de 34km onde as vezes se vê lava e fumarolas do vulcão Sierra Negra. É um lugar muito louco e depois de andar mais um tanto, você chegará no Vulcão Chico, onde a paisagem cheia de árvores dá lugar a um deserto de rochas com alguns cáctos solitários. Aqui você caminha sobre formações de lavas bem recentes, túneis de lava e forninhos (pedras furadas com calor). É possível ver as crateras e sentir um pouco do calor e do cheiro. Os tours saem as 7h e voltam perto das 13h e custam em torno de 35 dólares. Se for comprar tours, tente comprar na mesma agência para conseguir descontos.
Foto 360º que tiramos no Vulcão Chico – Dá pra ver no nosso facebook
  • Puerto Chino (San Cristóbal) – não íamos fazer este, mas um casal equatoriano nos convidou para rachar um táxi e fizemos. Não demos muita sorte, porque saímos muito tarde (15h) e pegamos a Laguna Junco (antigo vulcão que virou lagoa) toda coberta de neblina, as tartarugas gigantes (do centro de criação) todas dormindo e a praia de Puerto Chino já quase anoitecendo. É uma praia de areias finas e muito boa para nadar e fazer snorkel, pois há peixes, tartarugas e lobos, só fique atento pois como tem um pouco de ondas não dá pra ficar tão tranquilo no snorkel se for muito fundo.
Enormes e bonitas
  • 360 (San Cristóbal) – nos falaram muito bem deste, mas não fizemos, ele para em diversas praias e pontos da ilhas dando uma volta completa pela ilha toda. Era em torno de 130 dólares por pessoa.
  • León Dormido (San Cristóbal) – Este é muito tentador para quem faz mergulhos, pois aqui você poderá ver de perto além de outros vários animais os belíssimos tubarões martelo. Não fizemos, mas faríamos se tivéssemos condições.
  • Isla Floreana (Santa Cruz) – Não fizemos e nos contaram que também vale muito a pena.
  • Rancho e Túneis de Lava (Santa Cruz) – Fica nas partes altas da ilha e onde te permitem tirar fotos de pertinho com as tartarugas gigantes e caminhar dentro do maior túnel de lava de todos. Não é tão caro, mas não nos atraiu muito e por isso não fizemos.
  • Se você for rico ou milionário, poderá gastar uma vida em Galápagos, mergulhando e conhecendo pontos de ilhas menores ou mais distantes. Pontos de mergulho não faltam, e barquinhos querendo te levar lá por um bom preço também não.

16 – Tenha moedas e trocados:
Uma coisa chata no Equador é que utilizam dólares e dificilmente você terá troco para notas de cem (que geralmente te dão quando você troca no Brasil), então sempre valorize as moedas e notas menores.

17 – Botes de táxi:
Os barcos inter-ilhas não te levam até o mole, então você sempre tem de pagar o táxi boat até o mole (não tem escapatória). OS de San Cristóbal e Santa Cruz custam US$0,50 e o de Isabela custa US$1. Tenha moedas em mãos.

18 – Isabela:
É a única com taxa de entrada de 10 dólares.

19 – Vida Noturna:
Se você é baladeiro, vá para Cancún. Galápagos encerra sua vida noturna e seus restaurantes lá pelas 22h e num piscar de olhos a cidade tá meio dormindo já. É um ritmo de vida meio caiçara com pescadores e famílias, nada de boates e coisas do gênero.

20 – Internet:
Se você for utilizar apenas para rolar feed em rede social é tranquila e fácil de acessar se precisar enviar arquivos, fotos e vídeos para algum lugar, terá que ter paciência pois a coisa é bem lenta. Uma dica que damos e que percebemos é que depois das 00h (horário de Guayaquil) a conexão melhora um pouco para isso até a parte da manhã.

21 – Fuso-horário:
Esteja atento, pois Guayaquil é 2h mais cedo que o Brasil e Galápagos são 3h. Se no Brasil é 21h em Galápagos são 18h.

22 – Dica de Ouro: aqui você pode levar no seu celular um aplicativo sensacional que descobrimos com um alemão em Cuenca, chamado MAPY.CZ – O ótimo dele é que você baixa o mapa do país todo quando tá com a conexão boa e usa ele com o GPS quando estiver offline em qualquer lugar. Qualquer lugar mesmo. Baixamos o mapa do Equador e ele nos ajudou muito a não perder tempo com caminhos errados para onde queríamos chegar e isso incluiu todas as ilhas que fomos, com uma riqueza de detalhes bem grande e melhor que o google maps.

Las grietas

23 – Uma GoPro em Galápagos é uma boa pois boa parte das fotos é feita debaixo d’água. O que fazemos é comprar usada em sites como mercado livre.

24 – Fique longe dos enormes lobos-marinhos machos. É facil de saber quais são: são enormes, passam o tempo todo dormindo e são territoriais. Dentro d’água é difícil algum deles fazer alguma coisa, mas fora eles são os dono do pedaço e se você invadir ou fazer gracinhas, eles podem morder sim. O que nos contaram foi que a mordida deles geralmente vai na perna e cravam bem firme os dentes enquanto chacoalham. Já as fêmeas e os filhotes são mais mansos e raramente atacam. Os pequenos as vezes saem correndo atrás das pessoas, mas viram algumas que experimentaram ficar paradas e eles praticamente só te cheiram e se vão. Fora d’água eles correm pouco, mas dentro d’água passam como um torpedo. Se quiserem brincar, ficarão nadando, boiando e mergulhando perto de você.

25 – Para alguns tours é bom você já ter algumas coisas: snorkels (para os tours grátis é imprescindível) e o nosso nós compramos no mercado livre há quatro anos e sempre levamos em viagens que tem mar. Tênis de mar, é aquele sapatinho para andar em cima de pedras, e formações de corais dentro d’água – a Carina usou bastante e ele é barato se comprado na internet. Eu tinha um que estragou, mas em alguns lugares ele ajuda mesmo.

AS vezes eles vão até onde você está

26 – Clima:
Galápagos tem microclimas em suas ilhas, mas mesmo assim, ele é influenciado pelos climas da América do Sul, principalmente pelas correntes de Humboldt e do Panamá e pelo anticiclone do pacífico.
– De Janeiro a Abril – Época quente e com mais chuvas.
– De Novembro a Janeiro – Dias mais ensolarados e mar calmo.
– De Julho a Novembro – Época mais fria e com o período que os nativos chamam de “época da garoa” com nevoeiros constantes.
– De Maio a Novembro – Período sem muita chuva.
– De Junho a Agosto – Época de baleias, orcas e animais que se reproduzem no mar para voltar a Antártida.
No entanto, pelo que vimos e nos disseram por lá, o arquipélago vive recebendo viajantes o ano todo, com picos em Dezembro e Janeiro, porém por ser uma ilha, o tempo costuma mudar muito rápido durante os dias. Fomos em Junho e percebemos temperaturas ultra agradáveis (entre 23 e 28 graus), alguns dias de nevoeiro pela manhã, nenhuma chuva e um mar razoavelmente agitado.

Praia do Alemão no caminho para as Grietas

27 – Cruzeiros:
Além de serem absurdamente caros, os cruzeiros pouco ajudam Galápagos, pois a maior parte do dinheiro colocado lá pelos turistas ficam no continente.

28 – Hospedagem:
Usamos Booking em Isabela e Santa Cruz e Airbnb em San Cristóbal por precaução. Muita gente diz que é mais barato bater perna e negociar hospedagem na hora em que chega na ilha e provavelmente é sim. O problema é que em Santa Cruz já havia lugares sem vagas, então você fica a mercê da sorte.

Galápagos não é o lugar mais barato que você irá visitar em um mochilão, mas também não é o lugar mais impossível e por incrível que pareça ele é muito pouco visitado por sulamericanos. O que mais tem por lá, são equatorianos, europeus e estadosunidenses (aliás, daqui, é o lugar que mais vimos). É preciso entender que o caro aqui não é por razões de extorsão como ocorrem em diversos outros pontos do mundo e sim por necessidade: Equador não é um país rico, as ilhas estão super distantes do continente gerando uma logística complexa e é um lugar caro para se viver, então a sobrevivência dos nativos se dá praticamente apenas pelo turismo. A título de curiosidade, por estes motivos, o salário mínimo em Galápagos é o dobro do continente, beirando US$750.

Gastamos próximo de R$2000 por pessoa em 10 dias no arquipélago. Economizamos bem em algumas coisas e não tanto em outras e neste valor não está incluso a passagem aérea. Sabemos que é um valor alto para os padrões brasileiros e sulamericanos, mas compensa quando você pensa no que é Galápagos e no fato do nosso planeta talvez ter seus anos contados com lugares assim (sendo realista e de acordo com diversos estudos científicos), além ainda de algumas experiências em relação a natureza que você não terá em nenhum outro lugar do planeta.

Passar horas brincando com lobos-marinhos na natureza deles, sem intermediários…

Nossa dica final é: se você tem muita vontade de conhecer esse paraíso, faça as contas, planeja-se e vai com fé! Mas com uma condição: nos conte depois o que achou de lá e se nosso post ajudou em alguma coisa!

Obs: Valores e dados coletados em Junho de 2019 (1 dólar = R$4,00).

Anúncios

2 comentários em “28 dicas para você ir pra Galápagos de forma mais econômica.”

  1. Que delícia, Tuck.
    Seu post é encorajador, e desperta a vontade de ir pro Arquipélago mesmo (Achei R$200 reais/dia por pessoa aceitável dada as características de lá).

    Me fala uma coisa: por ser turística todo mundo fala inglês? Ou pra quem é ignorante e não souber castelhano tem que falar portunhol mesmo?

    Outra pergunta: quanto vocês gastaram nos vôos?

    Abraço,
    Chico

    Curtir

    1. Grande Chico!
      A gente gastou aprox 2500 no vôo, mas ficamos vários dias no continente pra depois pegar o voo até o arquipélago. Em várias situações você se resolve com o inglês sim, mas não é uma ilha que fala inglês normalmente como Providência (Colômbia) por exemplo. Mas foi o lugar com o maior número de turistas estadosunidenses que já vimos, e você sabe como eles sofrem com outros idiomas. A gente costuma preferir o espanhol porque é mais próximo da natureza deles, mas isso é curioso, porque assim como no continente e na Bolívia, México e Peru, você encontra pessoas que nasceram em comunidades na qual a língua mãe não é o espanhol, fato este que faz com que o espanhol deles seja muito mais fácil de entender por ser mais standard.
      O único problema do inglês é que você fica mais limitado pra trocar ideia com equatorianos, o bom é que você troca ideia com qualquer turista de fora (o q não é meu forte).

      Dúvidas sanadas?
      Abração!

      Curtir

E aí, o que achou? Diz pra gente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s