Cholula – Arquitetura colonial, vulcões e a maior pirâmide do mundo? – México

A cidade de Cholula (grudada em Puebla) possui algumas das joias do barroco mexicano, como um punhado de mais de 100 igrejas, com a principal delas em cima da base da maior pirâmide do mundo.

img_1514

Onde é e como chegar?

Cholula é uma cidade formada por duas: San Pedro Cholula e San Andrés Cholula. Fazem parte da zona metropolitana de Puebla (no total, mais de 2,5 milhões de habitantes), que está a cerca de 2h da capital Cidade do México. Para chegar a Puebla, você pode vir da Cidade do México (2h) ou de Mérida (19h), como fizemos vindo da região de Yucatán. Mas, para chegar a Cholula, você pegará um ônibus, Uber, táxi, Cabfi ou Tiptour até lá, que levará uns 45 minutos (ou menos).

O que é?

Cholula é uma herança do barroco, o que torna fácil de entender suas mais de 100 igrejas (algo parecido ao que conhecemos na região mineira de Ouro Preto, Mariana e Tiradentes). A diferença é que está rodeada pelos vulcões Popocatepetl (um dos mais ativos do mundo), Itzaccihuatl, Malintzin (adormecidos), que tornam a paisagem (se o céu estiver limpinho) algo bem curioso.

O que tem por lá?

Além das trocentas igrejas barrocas, há uma pirâmide pré-hispânica que foi habitada por vários povos em diversas épocas desde antes do ano 0. Há partes com influências toltecas, outras mais genuinamente cholultecas, mas o interessante para nós foi ver que é a maior base de uma pirâmide no mundo. É realmente gigantesca quando se olha para os lados e para baixo (pois há túneis por dentro dela que vão até 40m abaixo do solo). Mas quando se olha pra cima, não há grandiosidade na pirâmide, pois com o tempo ela foi coberta de terra e vegetação (contribuição também das cinzas vulcânicas) e quando os espanhóis chegaram, acharam que fosse apenas um monte sobressaindo no planalto. Que nada, era uma pirâmide! Mas antes de descobrirem isso, lá foram os espanhóis com sua especialidade: construir igrejas em tudo quanto é canto. Construíram a Igreja da Nossa Senhora dos Remédios no alto do monte, ou melhor, da pirâmide, que hoje nos dá uma paisagem um tanto quanto pitoresca.

Além da pirâmide de sua igreja no topo, há outras igrejas que se destacam, como as de San Francisco Acatepec (igreja forrada de ouro por dentro) e Santa Maria Tonantizitla (com a fachada de pedras cristalizadas locais e com uma série de imagens de crianças, mestiços e outras que escondiam deuses locais feito pelos nativos da época). Porém, para chegar a estas duas ou se deve ir com o ônibus TipTour ou de táxi, pois estão a alguns quilômetros do centro da cidade.

No centro, vimos que quase todas as igrejas por lá tiveram danos em suas torres devido ao terremoto de 2017, que afetou muito a Cidade do México e esta região, dando origem até a uma erupção de um dos vulcões mais ativos do mundo: o Popocatepetl (a serra que ele forma com o Itzaccihuatl separa este povoado da capital do país).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como fomos?

Saímos de carona com o nosso anfitrião do AirBNB até o terminal de onde saem os coletivos de Puebla para Cholula. Eles custam em torno de 7 pesos (menos de 2 reais) e em meia hora estão chegando à cidade. Peça para descer no Zócalo (praça do centro) e comece seu free walk pela cidade. Fizemos isso o dia todo, e nos esquecemos do filtro solar! Como estávamos longe das praias já, menosprezamos o sol e voltamos vermelhos cor de arrependimento!

Caminhamos por várias ruas do centro e fomos até a entrada da Igreja da Nossa Senhora dos Remédios na tentativa de ver os vulcões também, porém La Malinche e o Popoca estavam cobertos pelas nuvens! Há muita umidade no verão e chove quase toda tarde/noite, então a dica é ir o mais cedo possível se quiser vê-los. Demos azar, pois o dia estava superazul, mas as montanhas barravam as nuvens que chegavam de outras regiões e ficavam encobertas. Pelo menos conseguimos ver Malintzi depois, já em Puebla e no meio da avenida haha!

Vimos a igreja, acompanhamos um cortejo com banda que subia as escadarias, descemos e fomos ver a Pirâmide e a zona arqueológica. Há duas entradas, uma na rua do lado esquerdo à entrada da subida da igreja e a outra na descida da igreja, pelo outro lado. A diferença vai ser a ordem com a qual você verá as coisas. Nós vimos a pirâmide, depois passamos pelo museu e por fim andamos nos túneis. Voltamos para Puebla de coletivo, parando na CAPU (Central de Autobuses de Puebla) e de lá pegamos um outro coletivo até o shopping que fica perto do nosso AirBNB. Aliás, o Shopping Plaza Dorada é um bom lugar pra se pagar pouco pra comer e ter algumas opções diferentes, além de ter um supermercado barato dentro.

Se quiser ir de TipTour desde Puebla, vá ao centro e pergunte pelo ônibus TipTour que vai até Cholula e fique atento ao horário: geralmente saem pelas 11h e voltam pelas 17h, percorrendo várias ruas, igrejas e deixando você em lugares de interesse como a pirâmide, o centro e igrejas especiais.

Anúncios

Uma consideração sobre “Cholula – Arquitetura colonial, vulcões e a maior pirâmide do mundo? – México”

E aí, o que achou? Diz pra gente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s