Santa Marta – Colômbia

Santa Marta é um dos lugares bonitos do norte da Colômbia já mais próxima da fronteira com a Venezuela (10h). Aqui além da cidade aconchegante (400mil habs) e das praias, o lugar mais procurado sempre será o Parque Nacional Tayrona. Mas é preciso ter atenção a alguns detalhes caso contrário você pode acabar se frustrando. Vem com a gente!!!

DCIM100GOPRO
Tayrona – Santa Marta

Onde fica?

Litoral Norte da Colômbia a aproximadamente 1h30 de Cartagena (pode haver muito trânsito em certas épocas, como Janeiro).

Como fomos?

Pegamos uma van da empresa Sol y Mar em Cartagena pagando 44000 COP por pessoa (fomos com câmbio de R$4,20 o dólar… maior tristeza!) O trânsito até Santa Marta é meio intenso (sempre tem trancón, que é como eles chamam o engarrafamento). Esse Flamingo aí era nossa van até o Tayrona kkkk (tivemos pequenos acidentes três vezes na Colômbia).

 

Como é?

Apesar de ser menos abafada que Cartagena, não espere temperaturas agradáveis durante o dia e, se estiver em um hostal sem ar-condicionado, melhor passar parte da noite pelas ruas movimentadas do centro, próximo ao mar. Ficamos primeiro no Hotel Reposo Suite, que tinha atendentes que mais pareciam enfermeiras mal-humoradas e uma fama de motel no Booking. Mas, fora isso, era confortável, com ventilador, a/c e TV. Não espere por chuveiros – é um cano que solta água gelada – nessas cidades, até porque você vai rezar para que não tenha água quente. Depois tivemos de ficar em outro hostel (acabamos passando uma noite a mais na cidade, por não conseguirmos dormir no Tayrona), chamado El Éden, com atendimento simpático e um calor dos infernos no quarto (sem janela, como no de Cartagena), porém ambos eram bem localizados. Diárias por volta de 70000COP o quarto pra casal.

A principal atração de Santa Marta é o Parque Nacional Tayrona, que abrange uma grande área de matas e praias superbonitas, também acessível pela cidade Taganga, ainda que não seja a rota usual. Em Santa Marta é só perguntar onde saem os ônibus para Tayrona e te dirão.

Não sabíamos, mas devido ao mês de janeiro também ser mês de vacaciones escolares na Colômbia, a bagaça estava bem cheia. Uma fila enorme pra entrar no Parque, cheia de mochileiros e pessoas na mesma situação que nós! A diferença é que muitos aceitaram as primeiras explicações dos funcionários, que o parque estava cheio e blá-blá-blá, e foram embora pra voltar dia seguinte. Decidimos ser turrões e ficamos duas horas na fila para enfim conseguirmos entrar, por volta das 11h. De lá pegamos um ônibus (pago, algo como 3000 COP) que atravessa o Parque até chegar no início do sendeiro que pode ser feito a pé ou a cavalo. Fizemos a pé e levamos 1h até o primeiro local de camping.

Andamos mais meia hora até chegar na Piscinilla, que é uma praia protegida por arrecifes e que não tem ondas, ao contrário da primeira por que passamos, que era linda, mas proibida para mergulho e nado. Infelizmente aqui o sol tinha ficado pra trás e não deu pra registrar a verdadeira cor do mar, que é transparente e ideal para ver peixinhos e algas com um snorkel simples que levamos.

Andamos mais vinte minutos até o Cabo San Juan, onde, além de duas belas praias nadáveis, existem as áreas de camping e as redes para se alugar e passar a noite no alto de uma rocha à beira-mar. Era o que queríamos, mas como chegamos tarde já não havia mais vaga. O jeito foi curtir as praias e voltar em 1h30 de trekking antes do anoitecer. Não é permitido transitar pelas trilhas à noite devido à presença de felinos e serpentes pelo território protegido. Foi bastante cansativo passar 2 horas na fila, 3 horas caminhando e pouco mais de 1 hora nas praias de verdade. Recomendo ir um dia antes para Santa Marta e deixar garantido o ingresso do parque e das redes no Cabo San Juan, que ficam entre as duas praias, em um cenário lindo! Quem sabe um dia voltamos para realizar essa vontade…

Já de noite voltamos ao hostal pelo bus certo (mais barato e seguro) e saímos pra comer pelas ruas agitadas do centrinho histórico. Paramos no La Muzzeria e comemos bem!  Pra melhorar, um trio com um cantor violeiro, um baixista e um backing tocador de bongô estava ao nosso lado tocando clássicos como Chan Chan, Guantanamera, Stand by me e outras mais num som agradabilíssimo. Animados por um casal de colombianos e depois por um de cubanos, fomos dançar também!

Dia seguinte fomos ver o mar de Santa Marta pela primeira vez na luz da manhã e mesmo na cidade há trechos de mar muito limpo e transparente. Há um porto no lado leste e uma marina no lado oeste da praia. Os restaurantes mais baratos ficam justamente em frente à praia, assim como as feirinhas de artesanato e souvenirs. Aqui o clima lembra muito o de praias brasileiras, com exceção de que o mar é muito raso e sem ondas.

Horas mais tarde fomos até o terminal para pegar nosso bus até a próxima parada: Medellín (creio que pagamos 150000 COP – preço inflacionado por causa das férias escolares).

Você pode ver todo o nosso mochilão pela Colômbia aqui: Mochilão Colômbia

2 comentários em “Santa Marta – Colômbia”

E aí, o que achou? Diz pra gente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s